quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Nasceram o Terence Hill e Bud Spencer portugueses


Sendo certo que acarreta muitas injustiças, a greve de hoje foi memorável. Quanto mais não seja, serviu para mostrar que a maior parte do povo está unido, e isso é sempre uma coisa boa.
Para além disso, Portugal viu nascer duas estrelas. Se tivessem menos 40 anos, arriscavam-se a ser os ídolos das adolescentes. Com a idade que têm, acho que têm mais pinta de Terence Hill e Bud Spencer. Sim, um magro e um gordo que, nos filmes americanos, ofereciam porrada da grossa, umas vezes defendendo os mais fracos e outras só porque podiam.
E quem, como eu, viu a conferência de imprensa ao final do dia do Carvalho da Silva e do João Proença, não ficou com qualquer dúvida.
Falaram mais de meia-hora sobre os números da greve, da manipulação do Governo e dos patrões, da importância do protesto, que receberam os parabéns de mais de 60 países e, no fim, disseram com toda a firmeza que se fosse preciso estavam dispostos a endurecer a luta.
Claro que se fosse na América, o Terence Hill teria virado a mesa e o Bud Spencer pegaria no microfone e diria "Pedro, ou defendes os mais fracos ou voltamos a parar esta porra deste país, tás a ouvir, ó c*****o??"
Mas estamos em Portugal e, à escala portuguesa, o que eles fizeram foi exactamente o equivalente a isso.

2 comentários:

  1. Aqui as greves são mornas, nunca chegam sequer a aquecer.

    ResponderEliminar
  2. Somos um povo de brandos costumes, é o que é...

    ResponderEliminar