quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Tenho um paladar requintado


Quando vou comer fora, só vou a sítios típicos. Já experimentei ir a outros mas correu mal. É que não consigo mesmo. A sério. Não contem comigo para comer porcarias e prejudicar a minha saúde. Nos restaurantes típicos é que me sinto bem.
É que só nestes sítios se sente a verdadeira cultura de um país. É nestes sítios que se sente, a cada dentada ou a cada golada, todo o histórico esforço de um povo. Que defendeu a sua cozinha como parte integrante da sua cultura e fez dela uma bandeira.
Sente-se o esforço dos agricultores no cultivo, que arduamente, e de sol a sol, trabalham para nos fazer chegar à mesa os melhores ingredientes, dos cozinheiros na confecção metódica das refeições e na própria reinvenção da cultura gastronómica. E de todos os outros de quem ninguém fala, como os transportadores, os empregados de mesa, os empregados de limpeza e todos aqueles que não descansam para que até nós, apenas chegue o melhor do melhor.
E o mundo tem tantas culturas diferentes, tantos países, tantos povos, tantas formas diferentes de ver a comida, que seria um autêntico desperdício limitar as escolhas de restaurantes tipicos ao país A ou B.
O meu paladar requintado, por exemplo, tem um fraquinho pelos restaurantes típicos dos Estados Unidos.

Não há nem Mac, nem PizzaHut nem Starbucks que me escapem.

6 comentários:

  1. E já dizia o outro, requinte é classe.

    Ando a ressacar disso. A singela barriguinha anda a desafiar-me...

    ResponderEliminar
  2. Também não resito á cultura gastornómica dos States! :)

    ResponderEliminar
  3. Realmente é uma pena a barriga ressentir-se da cultura gastronómica de qualidade... E nem se percebe. No Mac todos juram a pés junto que aquilo é saudável. Será que nos andam a mentir? Nááááá....

    ResponderEliminar